Como a mudança no modelo mental reflete nos negócios do empreendedor?

https://eseg.edu.br/media/bancos/noticias_1.jpg

Profª. Drª. Leila Keiko Canegusuco, Professora da ESEG em Engenharia de Produção

Sei que é difícil identificar na crise pontos positivos enquanto passamos por ela. Porém, entre outras questões, podemos extrair dessa pandemia a valorização da ciência, da tecnologia e do conhecimento. Além disso, apesar de parecer não ter saída, os empreendedores devem buscar mudanças no seu modelo de negócio.

Reconhecer o papel dos profissionais da área de saúde é o primeiro ponto deste momento. Sem que tivéssemos recebido dados, informações científicas do que é esse vírus, como a infecção se propaga, como age em nosso organismo, como pode em curto tempo colapsar o nosso sistema da saúde, nós não saberíamos como nos comportar.

Então, gostaria de analisar muito rapidamente essa situação utilizando a teoria do Pensamento Sistêmico.

Sistema de Complexidade Dinâmica 
Estamos inseridos em um enorme sistema que é formado por vários subsistemas: da Saúde, Econômico, da Justiça, entre outros. E todos estão integrados uns aos outros. As interações entre os agentes do sistema ao longo do tempo geram comportamentos que não podemos prever inicialmente, comportamentos não intuitivos. Esse sistema possui o que se chama de complexidade dinâmica.

Na solução desse tipo de problema é difícil saber onde está a maior alavancagem, ou seja, onde efetuar uma mudança que, com o mínimo esforço, resulte em uma melhoria significativa e duradoura.

O alarme do primeiro subsistema
Com o início da pandemia da Covid-19, o primeiro alarme soou no subsistema da Saúde! 

Foi-nos apresentada a curva padrão de crescimento exponencial de uma epidemia e foi nos dito que a principal atitude a tomar para buscar seu achatamento é o isolamento social. O objetivo dessa ação é de evitar o colapso do nosso sistema da saúde. Essa atitude foi atendida pela maioria das pessoas, mundialmente. A população ficou em casa!

Passados alguns dias com as pessoas em suas casas, os negócios de todos os portes começaram a sofrer com a falta de consumo. Sem faturamento, vários donos de negócios pediram o término do isolamento social.

A dinâmica da complexidade
Isso fez com que outro subsistema, o Econômico, tomasse várias medidas de apoio aos negócios. Dessa forma, para diminuir o ocorrido, essas ações acontecerão enquanto a pandemia e o isolamento durarem. Ocorre que a implementação das ações não pode demorar.

Com esse cenário, voltando à nossa teoria, podemos ver algumas características de um sistema de complexidade dinâmica. Eles são:

  • fortemente acoplados - os agentes do sistema interagem fortemente entre si;
  • governados por realimentações - por causa do acoplamento entre os agentes, as ações se realimentam nelas mesmas. Assim, quando “A” toma ações que alteram o estado do sistema, “B” reage e faz surgir novas situações que influenciarão as próximas decisões de “A”.

Você deve estar se perguntando por que as ações não podem demorar. Porque quando os atrasos ocorrem em um processo de tomada de decisão, os agentes no sistema continuam a intervir para corrigir a discrepância entre a situação real e a desejada levando à instabilidade causa instabilidade e oscilação no sistema.

Como solucionar esse problema?
Mas, afinal, o que deve ser feito para se resolver um problema de complexidade dinâmica?

A solução passa por mudar os nossos modelos mentais. São as crenças, opiniões, valores, regras de comportamentos que carregamos, que influenciam a nossa forma de ver o mundo e agir.

E como se muda o modelo mental? De modo simplista, com 3 ações:

  1. Esclarecimento - ao entender o que está acontecendo podemos aceitar melhor o problema e ficamos mais abertos para encontrar uma solução.
  2. Colaboração - os agentes precisam colaborar entre si para alcançar um objetivo comum.
  3. Criatividade - com a criatividade, mudamos o modo que estamos acostumados a realizar as ações.

E como empreendedor, o que posso fazer?
A mudança no modelo mental do empreendedor tem que ser refletida no seu modelo de negócio. Então, siga as três ações:

  1. Tente esclarecer como você contata o seu cliente e como entrega o seu produto ou presta seu serviço para ele. Nesse momento de isolamento social, seus clientes não poderão ir até sua loja e suas portas devem estar fechadas, salvo os serviços essenciais.
  2. Peça a colaboração dos seus funcionários, da sua família, dos outros donos de negócios - inclusive concorrentes - e do Sebrae. Outros pontos de vista ajudarão a enxergar como fazer para que suas vendas não parem durante esse período.
  3. Use a sua criatividade ao máximo para mudar seu modelo de negócio. Se você ainda não usa as redes sociais para divulgar seus produtos ou serviços, comece a usar. Se você vende produtos e ainda não faz vendas on-line, comece a fazer. Se você presta um serviço, ofereça um voucher com um valor promocional de serviços que seus clientes paguem agora e recebam o serviço quando acabar a pandemia. Se você tem um restaurante e já entrega suas refeições, verifique se alguns de seus funcionários com tempo livre podem entregar as refeições. Assim, você economiza na entrega e os funcionários que trabalhavam servindo os clientes, por exemplo, ficarão ocupados. Se você tem uma escola, continue com as aulas a distância. Esses são apenas alguns exemplos.

Caso tenha um tempo sobrando, cuide dos processos internos da sua empresa. Faça as melhorias que normalmente não faz. Seja no planejamento, marketing, layout, treinamento, nas finanças, entre outros.

O momento é sério, mas a saúde está em primeiro lugar. Por isso, o empreendedor precisa pensar em ações para se ajustar à crise, para no final conseguir recuperar aquilo que vai perder durante esse período.

Com isso, desejo a todos força, persistência e fé para ultrapassarmos essa crise.